in , ,

Série de reportagens investiga práticas de “conversão” para LGBTI+ na América Latina

lgbti+
imagem: Latuff

A Agência Pública publicou no último 17 de dezembro, o especial “Nega-te a ti mesmo”, uma série de reportagens investigativas sobre a atuação de entidades religiosas que realizam práticas de “reorientação” para LGBTI+ na América Latina.

Realizado em parceria com Ojo Público (Peru),  El Surtidor (Paraguai), a jornalista equatoriana Desirée Yépez e Mexicanos Contra la Corrupción y la Impunidad (México), este especial investiga, em primeira mão, as atividades da organização evangélica internacional Exodus e de grupos anti-direitos LGBTI+ nos cinco países.

+ Governo do Mato Grosso do Sul lança cartilha de enfrentamento à LGBTfobia

+ Ben&Jerry’s e All Out se unem em petição prol LGBTI+. Entenda!

+ É crime! São Paulo sai na frente na luta contra a LGBTfobia

 

Desde 2019, após presenciar um congresso da organização na cidade de Campinas, interior de São Paulo, a Agência Pública tem investigado a atuação da Exodus. Com sede no Canadá, a Exodus Global Alliance atua por meio de uma rede de entidades afiliadas que se estende por vários continentes, articulando igrejas, missionários, políticos, psicólogos e defensores de práticas de reorientação sexual, popularmente conhecidas como “cura gay”.

Na América Latina, região com altos índices de violência contra a população LGBTI+, a Exodus está bem ativa. As reportagens revelam que ela funciona como um guarda-chuva para dezenas de entidades cristãs locais e as alimenta com treinamentos, congressos, materiais de estudo e livros sobre práticas para “reorientar” gays, lésbicas, bissexuais, transexuais e travestis. A entidade prega ser possível abandonar desejos e mudar de orientação sexual “por meio do poder transformador de Jesus Cristo”.

Pessoas em conflito com a própria sexualidade, orientação de gênero, espiritualidade e jovens – muitas vezes levados contra sua vontade pelos familiares – são o foco de congressos e programações da Exodus, onde a homossexualidade é tratada como um pecado e um desvio de comportamento.

As iniciativas de reversão sexual não ficam restritas ao ambiente religioso. As reportagens também mostram que organizações como a Exodus se articulam politicamente e fazem lobby junto a parlamentares, membros do Executivo e do Judiciário de vários países da América Latina. O objetivo é retroceder com direitos LGBTI+ e impedir o avanço de novas leis de proteção a essa população, alegando a defesa da liberdade religiosa.

Confira aqui série de reportagens da Agência Pública

Sobre a Agência Pública

A Agência Pública foi fundada em 2011 por jornalistas mulheres e tem como missão produzir reportagens de fôlego pautadas pelo interesse público, sobre as grandes questões do país do ponto de vista da população – visando o fortalecimento do direito à informação, à qualificação do debate democrático e a promoção dos direitos humanos.

Em 2019, nossas reportagens foram reproduzidas por mais de 1000 veículos, sob a licença creative commons. A Agência Pública ganhou mais de 50 prêmios nacionais e internacionais, como o Prêmio Vladimir Herzog, Prêmio República e Prêmio Gabriel García Marquez. Foi o primeiro veículo brasileiro indicado ao Prêmio Liberdade de Imprensa, da organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF). https://apublica.org/

Fórum de Turismo LGBT Top

Escrito por alexbernardes