in

É crime! São Paulo sai na frente na luta contra a LGBTfobia

web home Foto Yoav Hornung
Foto: Yoav Hornung/Unsplash

Em junho de 2019, a homofobia e a transfobia foram criminalizadas no Brasil. Seis meses depois, em 24 de janeiro de 2020, como um importante e valioso reforço dessa luta, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB) acaba de sancionar uma lei que combate a LGBTfobia no estado, ou seja, pune qualquer discriminação contra os LGBT+, seja por pessoas, seja por empresas. “Qual-quer” discriminação. Enormes conquistas para um espaço de tempo tão curto.

+ Tem bafos novos do turismo LGBT+ no VIAG PODCAST – PEGA ESSA #2
+ Hotéis LGBT friendly: confira 3 hotéis bons e baratos em São Paulo para o carnaval 2020
+ Turismo LGBT+ : 5 destinos internacionais para fugir do dólar alto

A corajosa que resolver ofender os LGBT+ pode ser punida com advertência e multa, com valor ainda não estipulado. No caso de estabelecimento comercial, este pode ser suspenso por 30 dias ou ter o alvará cassado. Segundo o texto, toda pessoa física está sujeita a ser punida, “inclusive os detentores de função pública, civil ou militar, e todas as pessoas jurídicas, com ou sem fins lucrativos, de caráter privado ou público, instaladas no município”. A denúncia pode ser feita por qualquer cidadão.

De autoria do vereador Reis (PT) e coautoria da deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL), a lei 17.301 proíbe “qualquer forma de discriminação em razão de orientação sexual ou identidade de gênero” na capital paulistana. Isso inclui a prática de qualquer tipo de ação violenta, constrangedora e intimidatória, a demissão direta ou indireta um empregado por conta de sua orientação sexual, a prática ou indução do preconceito pelos meios de comunicação (alô, redes sociais!), a proibição da permanência em qualquer ambiente – público ou privado -, a prática de atendimento diferenciado, o impedimento da locação e compra de bens móveis ou imóveis, o impedimento da hospedagem em hotéis, motéis, pensões ou similares, o impedimento do acesso ao transportes públicos, incluindo táxis e não aceitar o ingresso de aluno em estabelecimento público ou privado.

A intensidade da pena aplicada depende da gravidade da situação, se é reincidente ou não e no caso das empresas, da capacidade econômica do estabelecimento que descumprir a lei. Que sirva de inspiração para as outras cidades!

Axel Miami – Banner

Escrito por marcellfilgueiras