in

Governador do RS, Eduardo Leite, assume sua homossexualidade em programa de TV

eduardo leite
Fairmont

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, foi o entrevistado do programa Conversa com Bial, na noite desta última quinta-feira, 01/07. Na entrevista Eduardo Leite falou pela primeira vez sobre sua homossexualidade de forma aberta na TV.

“Eu nunca falei sobre um assunto que eu quero trazer pra ti no programa, que tem a ver com a minha vida privada e que não era um assunto até aqui porque se deveria debater mais o que a gente pode fazer na política, e não exatamente o que a gente é ou deixa de ser”, explica.

+ Políticas Públicas: Confira o quarto programa do Fórum de Turismo LGBT do Brasil 2020

VILA GALÉ RIO – LGBT
VILA GALÉ SP – LGBT

+ Congresso Nacional é iluminado com as cores arco-íris para celebrar o Dia do Orgulho LGBT

+ Ações afirmativas marcam abertura mês do orgulho LGBT no Estado de SP

Nas palavras do governador, “nesse Brasil com pouca integridade a gente precisa debater o que se é”. Para concluir, Leite declarou : “Eu sou gay. E sou um governador gay, e não um gay governador, tanto quanto Obama nos Estados Unidos não foi um negro presidente, foi um presidente negro. E tenho orgulho disso.”

SOBRE EDUARDO LEITE

Eduardo Figueiredo Cavalheiro Leite é nascido em Pelotas RS, no dia 10 de março de 1985. É  bacharel em Direito. Filiado ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), é o atual governador do Rio Grande do Sul, cargo que exerce desde janeiro de 2019. Anteriormente, foi prefeito de Pelotas de 2013 a 2017, cidade onde também foi vereador.

Leite iniciou sua carreira política no movimento estudantil, como presidente do Grêmio Estudantil de sua escola. Graduado pela Faculdade de Direito da UFPel, filiou-se ao PSDB e concorreu a vereador em 2004, sem obter êxito. Logo depois, integrou a administração municipal, primeiro como assessor e secretário interino e depois como chefe de gabinete nos governos de Bernardo de Souza e Fetter Júnior. Em 2008, elegeu-se vereador e presidiu a Câmara Municipal de 2011 a 2013.

Mar Ipanema Gif

Após alcançar a suplência para a Assembleia Legislativa na eleição de 2010, Leite foi eleito prefeito de Pelotas em 2012, permanecendo no cargo durante quatro anos e sendo sucedido por Paula Mascarenhas, sua vice-prefeita. Na eleição de 2018, elegeu-se governador do Rio Grande do Sul no segundo turno com 53% dos votos válidos, derrotando o governador José Ivo Sartori. Tornou-se assim um dos governantes mais jovens da história do estado.

POLÊMICA COM A COMUNIDADE LGBTQIA+

No segundo turno das eleições de 2018, leite declarou seu apoio ao então candidato a presidência, Jair Bolsonaro. A declaração de apoio gerou desagrado dos seus eleitores da comunidade LGBTQIA+.

Apesar de ter declarado apoio ao atual presidente, Eduardo não foi poupado dos ataques homofóbicos de Bolsonaro. Recentemente, em uma coletiva, quando questionado sobre a situação da pandemia no Rio Grande do Sul, Bolsonaro disparou ” Pode ter enfiado em outro lugar” referindo-se ao dinheiro enviado pelo Governo Federal para o combate do corona vírus no estado gaúcho.

Mesmo sendo ultrajado com as falas de Bolsonaro, durante o programa de Pedro Bial, Eduardo diz estar avaliando uma possível queixa crime contra o Presidente por suas declarações. Mas governador contou que exigiu explicações do presidente no Supremo Tribunal Federal.

“É algo que a gente ainda está avaliando. […] No debate político com o presidente ou quem quer que seja, eu espero que a gente possa ficar no debate do que se pode fazer para o futuro do país e não no ataque pessoal. A gente já tem problemas demais para atacar pessoas, o ataque tem que ser aos problemas do país, à fome, à miséria, à corrupção, à pandemia.”

Em outro debate organizado pela Folha de São Paulo e o Centro de Liderança Publica, na manhã de quinta-feira,2 de Julho, em São Paulo, com a presença de Ciro Gomes e Luiz Henrique Mandetta, Eduardo Leite não quis se posicionar a respeito de um possível Impeachment de Bolsonaro.

“Sem dúvida nenhuma há muitos fatos que estão vindo à tona, tanto pela CPI quanto pelos veículos de imprensa, mas eu tenho uma responsabilidade como governador. No meu estado eu sou governador de quem é a favor do impeachment e de quem é contra”.

MS

Escrito por alexbernardes