in , ,

Pride Bank finaliza período de testes e abre para novos correntistas

Pride Bank

A partir dessa segunda-feira, dia 17, o Pride Bank, primeiro banco digital do mundo focado no público LGBTI+, encerra a fase beta e abre para que novos clientes possam se cadastrar sem necessidade de receber convite. A fase beta é quando o banco está em período de testes e apenas convidados podem ser correntistas.

A migração acontece no momento em que todos os testes estão finalizados e os últimos cartões estão sendo enviados aos primeiros Priders (correntistas) participantes do BETA TEST.

Também na última semana, Priders que haviam aberto suas contas e ficaram na lista de espera já tiveram suas contas digitais liberadas.

Lives sobre empreendedorismo LGBT+ sorteará viagem para Bonito – MS

Empreendedorismo LGBT+: Conheça o Pão Que O Viado Amassou

Elephant Guest House: conheça a nova hospedagem LGBT+ friendly em Ilhabela

Os cartões de crédito de Pride Bank estão sob a bandeira Mastercard e possibilitam que os portadores utilizem seus nomes sociais, o que evita constrangimentos para transexuais e travestis, por exemplo.

Em live com a ViaG na última sexta-feira, 14 de Agosto, o CEO do Pride Bank, Márcio Orlandi anunciou que mesmo antes de sair do modo beta o banco já contava com quase 10 mil correntistas. Durante a entrevista, Orlandi também diz que tem intenção de criar serviços de plano de saúde e seguro viagem, mas que ainda são projetos futuros. Durante a live, Orlandi explicou mais detalhes de como o banco funciona, tarifas e serviços.

Orlandi, também comemorou a atualização: “Durante o período de testes aprendemos muito para deixar a plataforma objetiva e funcional. Esse tempo foi fundamental para recebermos feedbacks tanto da equipe, quanto dos Priders, que foram, mais uma vez, grandes parceires e nos ajudaram muito a melhorar nossos serviços. Todes entenderam que precisávamos errar para poder acertar”, declara.

Outras funções ainda serão implantadas no futuro como empréstimo pessoal e financiamentos, mas ainda sem data definida: “Queremos oferecer muitas outras possibilidades, mas o mais importante no momento é consolidar o que já temos sem perder nosso propósito inicial, que é ajudar a comunidade LGBTI+”, pondera Orlandi.

O Pride Bank nasceu com propósito de devolver parte de sua renda a essa população. O banco digital reverte 5% de sua receita bruta total e distribui a ONGs, coletivos e iniciativas LGBTI+. Outros 5% são investidos em Cultura, Entretenimento e Esportes da comunidade.

As primeiras causas a receberem o valor para doação são Casa Arouchianos, Fundo Elas, a Família Stronger e a ONG Eternamento SOU. O processo é feito com total transparência graças à parceria com a Welight, empresa de tecnologia social, que administra o Instituto Pride através de sua tecnologia desenvolvida em blockchain, oferecendo abertamente a todos visibilidade completa de como cada centavo é distribuído e aplicado.

Para abrir a conta digital e conhecer os pacotes e tarifas, acesse o site: www.pridebank.com.br

Axel Miami – Banner

Escrito por alexbernardes