in ,

Argentina prevê próximas etapas de reabertura e aposta no Brasil

argentina lgbt

O Instituto Nacional de Promoção Turística da Argentina (Inprotur) se reuniu na tarde desta quarta (11) com a imprensa, a fim de dar detalhes sobre sua primeira fase de reabertura. O país reabriu, na última semana, sua fronteira aérea para cinco países vizinhos – Bolívia, Paraguai, Uruguai, Chile e Brasil. Os turistas, que devem ainda obedecer a algumas restrições, poderão circular somente por Buenos Aires e La Plata. Fronteiras terrestres continuam fechadas.

De acordo com Matías Lammens, ministro de Turismo e Esportes, as próximas fases já estão desenhadas, com a segunda etapa contemplando reabertura mais ampla para uma lista mais extensa de países, incluindo a América Latina, e, na terceira, etapa, é prevista a reabertura total. Contudo, algumas adversidades ainda dificultam o anúncio de datas, visto que há ainda dificuldades com a situação pandêmica na Europa.

+ Amor é a nova marca para promoção da Argentina LGBT+ friendly

+ Jujuy e Salta, dois incríveis lugares para se conhecer na Argentina

+ Turismo LGBT+ : 5 destinos internacionais para fugir do dólar alto

“Estamos com um cotidiano praticamente normal. Desde março, nos preocupamos em estabelecer protocolos que fossem favoráveis tanto para nós quanto para os viajantes, a fim de garantir um roteiro seguro. Prevemos um crescimento exponencial semana a semana”, declara Lammens.

As próximas etapas também preveem um trabalho mais estreito com demais províncias e destinos do país, sejam eles mais conhecidos, como Cataratas del Iguazú e Bariloche, quanto outros menos famosos, mas com potencial turístico. “Queremos uma boa temporada de verão e com muita segurança”, comenta o ministro.

Para o ministro, o Turismo é um grande setor de desenvolvimento estratégico e, por isso, também reforça a importância da contínua capacitação entre as 24 províncias e o repasse de recursos para que os destinos possam investir em infraestrutura e, consequentemente, oferecer novidades aos seus visitantes. “Tivemos que nos reorganizar desde março e estamos prontos para esta grande aposta. É um grande desafio”, declara.

O Inprotur vem apostando em uma conversa frequente com as companhias aéreas, a fim de regularizar e incentivar o retorno da malha. Ricardo Sosa, secretário executivo da Inprotur, citou que algumas rotas já estão previstas com 50% da frequência pré-pandemia.

Este é o caso da Aerolíneas Argentina, que retomará voos diários entre São Paulo e Buenos Aires a partir da próxima quinta (12) e duas frequências semanais entre Rio de Janeiro e a capital argentina neste mesmo período.  Sosa ainda afirma que há uma conversa com as companhias Latam e Azul, para o retorno de sua demanda no país.

Além disso, Sosa afirma que novas campanhas de promoção estarão sendo divulgadas nesta e nas próximas semanas, bem como webinars para profissionais brasileiros que têm interesse em ficar por dentro das restrições e protocolos, além das novidades do território argentino. “Assim mostrando a importância que o Brasil tem para a Argentina e, por isso, se posiciona como um dos principais mercados”, comenta.

Entrada no país

É importante destacar que, por mais que a fronteira aérea esteja liberada, ainda há algumas restrições para os viajantes que desejam entrar na Argentina, país que possui o selo Safe Travels do WTTC. É necessário que o passageiro apresente à companhia aérea seguro médico que cubra atendimento por covid-19, declaração legal eletrônica preenchida 48 horas antes do embarque e teste PCR negativo realizado até 72 antes da chegada a Buenos Aires. Não há necessidade de quarentena para os visitantes.

A entrada e saída do país serão pelos seguintes terminais:

  • Aeroporto Internacional Ministro Pistarini de Ezeiza
    Aeroporto Internacional San Fernando
    Porto da Cidade Autônoma de Buenos Aires (só para argentinos ou residentes e uruguaios)

Os visitantes só poderão permanecer na Área Metropolitana de Buenos Aires, que abrange a Cidade Autônoma de Buenos Aires e os seus 35 distritos. Os turistas podem se hospedar em hotéis, ir a museus e galerias, feiras artesanais, fazer compras e ir a centros comerciais, comer em estabelecimentos de alimentos e bebidas (estabelecimentos fechados possuem limite de 25% da capacidade e, no geral, é necessário fazer reserva), entre outras atividades.

Por: Felipe Lima

Fórum de Turismo LGBT Top

Escrito por alexbernardes