in , ,

CuteCute LoveLove

Pais e casais homoafetivos terão 120 dias de licença parental no Grupo Boticário

casais homoafetivos
Fairmont

O Grupo Boticário, uma das maiores empresas do Brasil no ramo da perfumaria e cosmético, acaba de anunciar a extensão da licença parental também para homens e casais homoafetivos. De acordo com nota liberada pela empresa, todos os 12 mil funcionários terão o direito de 120 dias de licença.

+ União Homoafetiva: Saiba quais são os direitos e deveres

+ Angola finalmente descriminaliza relações homoafetivas

VILA GALÉ RIO – LGBT
VILA GALÉ SP – LGBT

+ Canadá determina que direitos LGBT devem se sobrepor a crenças religiosas

O benefício também abrangerá homens, casais homoafetivos e pais de filhos não-consanguíneos, além das mulheres, que já têm a licença de até 180 dias. Segundo o Boticário, as medidas foram tomadas levando em consideração a nova realidade trazida pela pandemia e pela aceleração do processo de trabalho em condições de home office.

“Acreditamos que uma licença mais equânime é caminho certo. Ela é a nossa contribuição para ajudar a romper as barreiras e os estigmas de gênero, transformando o olhar da sociedade. É também uma contribuição importante para a relação de afeto que se estabelece na chegada de um filho. Como empresa, entendemos que todos têm a direito à mesma quantidade de tempo para criar esses laços independente de seu modelo familiar”, afirma Artur Grynbaum, vice-presidente do Conselho de Administração do Grupo Boticário para a revista Pequenas Empresas Grandes Negócios.

Esse beneficio já era oferecido pelo O Boticário, mas eram oferecidos apenas 20 dias a todos os funcionários que se tornavam pais. Lembrando que pela legislação brasileira, os pais tem direito de apenas 5 dias de licença.

O projeto foi desenvolvido pela equipe do comitê Lado a Lado, um grupo interno criado para desenvolver projetos de equidade de gênero, diversidade e inclusão. As metas do grupo são audaciosas. Até 2023 o objetivo é ter 50% de colaboradores, sendo 25% das lideranças corporativas e 50% de mulheres na diretoria até 2025.

GUIA LGBT RECIFE

Escrito por alexbernardes