13 bons motivos para visitar o Tahiti em 2019

13 bons motivos para visitar o Tahiti em 2019

Afastado de tudo e de todos, o Tahiti, um encantador arquipélago de 118 ilhas, situado no Pacífico Sul, encanta tanto pelo ar paradisíaco quanto pelo charme da sua cultura. Que é muito rica, alias. Suas lindas e exuberantes praias de areias branquinhas e águas de múltiplas tonalidades de azul são mais do que famosas no imaginário de milhares de turistas de todo o globo. No entanto, em meio ao que é relativamente conhecido sobre o destino, o Tahiti vai muito além e oferece 19 bons motivos e predicados que justificam a visita em 2019.

Confira aqui porque você deve colocar este tesouro no mapa das suas viagens em 2019:

1- O Tahiti é LGBT friendly

Axel Miami – Banner

Tahiti é um destino pra lá de LGBT friendly. Os taitianos estão ansiosos para compartilhar sua herança, cultura e a beleza de suas ilhas sem discriminação. Da Polinésia pré-colonial, os taitianos consideram o mahu como um ser divino, possuindo as qualidades dos gêneros masculino e feminino. Agora “mahu” é mais comumente conhecido como “rae rae” (que é um termo usado para descrever os travestis) e dentro da ilha, você verá os taitianos demonstrarem respeito e aceitação incondicional dos rae rae. Você vai encontrar muitos empregos na indústria de serviços, ou seja, em hotéis, restaurantes, em espetáculos de dança e no setor aéreo. Os taitianos estão entre as pessoas mais gentis do mundo e isso está entre algumas das razões pelas quais o Tahiti se tornou um destino popular para os viajantes LGBT.

2 – Viver e trazer para dentro de si o Mana.

Ao descer do avião e pisar no Tahiti você sentirá o Mana percorrendo pela sua espinha, preenchendo sua alma. A força vital das Ilhas transbordará por todo o seu espírito. Você sentirá seu gosto e cheiro no ar e ela fluirá por suas veias, como um bálsamo eterno, bastando evocá-lo para senti-lo novamente.

 3-  Fazer uma viagem de cura e bem-estar.

     

O Tahiti conta com Spas espetaculares, localizados em hotéis sublimes como o The Brando, em Tetiaroa, que oferece tratamentos holísticos incomparáveis inspirados em técnicas polinésias internacionais e ancestrais, em um cenário excepcional. Há outros igualmente fantásticos em hotéis como o Four Seasons e o St. Regis, em Bora Bora, o Intercontinental e o Manava Suite Resort, em Papeete, ou o Kia Ora, em Rangiroa. Lavagem corporal com baunilha, esfoliação corporal com areia e arroz, côco ralado e sal marinho, são apenas algumas, dentre as várias jornadas de Spa para se deliciar.

Leia Mais:

Curaçao receberá o primeiro Caribe Gay Spring Break Festival 

Ilhas Seychelles é um destino com várias opções para quem ama aventuras

Florianópolis GLS, a cena gay do sul do Brasil

4 – Alugar uma embarcação e navegar por águas de cores indescritíveis

Repetindo a experiência dos maiores navegadores da história do mundo e seguindo a rota das canoas polinésias, você pode fazer sua própria viagem épica para descobrir ilhas fabulosas a bordo da sua própria embarcação, com tripulação disponível para navegar em itinerários flexíveis, à sua escolha. Lista completa de opções de empresas e fretamento você encontra em www.tahiti-tourisme.com.br

5- Conhecer a cultura polinésia e adquirir seu belo artesanato

Tatuagem, tecelagem, bordado, entalhe na madeira e pedra, fabricação de tambores e pareus pintados à mão são itens típicos nos quais você encontrará a história e a cultura da polinésia traduzidas em arte. Na dança e nos ritmos, os tahitianos convidam o Mana a surgir do mar, descer das montanhas e emanar da alma de todos os homens e mulheres que foram atingidos por seu encanto hipnotizante

6-Viver os cenários dos quadros de Paul Gauguin, nas ilhas Marquesas

Conhecida como “Ilha de Paul Gauguin”, a majestosa e histórica ilha Hiva Oa com paisagens selvagens e indomadas, Tiki gigante de pedra esculpida e visões sobrenaturais, ofereceram inspiração para os olhares primitivos e poéticos do famoso pintor francês. As ilhas Marquesas também inspiraram palavras apaixonadas do poeta e cantor belga Jacques Brel. Ambos escolheram o arquipélago como seu local final de repouso. Hiva Oa é um paraíso onde a ancestralidade das Ilhas do Tahiti vive e respira.

7-Hospedar-se em charmosas pousadas de famílias locais e viver o lifestyle dos habitantes

Tão únicas quanto as próprias ilhas, as acomodações locais apresentam a vida cotidiana da região, em pequenas hospedarias, hotéis familiares e pousadas autênticas, um modo profundo de se conectar com o lifestyle dos tahitianos. São propriedades de um a doze quartos ou bangalôs, nas praias, nas montanhas ou vales, ou dentro de uma vila, variando até uma casa de família ou casa privada com tudo incluso. Aqui você também descobrirá experiências culinárias singulares, no melhor estilo “farm to table” com ingredientes locais e receitas tradicionais

8- Jogue golf em um campo projetado pelo grande Jack Nicklaus, em Moorea, e depois assista à Dança do Fogo, um balé de chamas dançantes na praia

Moorea é uma das ilhas mais famosas da Polinésia Francesa e por toda a sua extensão territorial pipocam pontos de interesse para os turistas que a visitam. Entre eles, há de se destacar as praias perfeitas para mergulhos de snorkel, hotelaria estrelada, trilhas incríveis e outros dois atrativos. O primeiro é o campo de golf Green Pearl, de 18 buracos, que foi projetado por ninguém menos que Jack Nicklaus, o maior campeão de torneis Majos de todos os tempos. Já o segundo diz respeito à Dança do Fogo, tradição polinésia que consiste em um balé de chamas dançantes ao anoitecer, na área da praia.

9- Visitar os templos sagrados Marae de pedras mecca, em Huahine

As ilhas de Raiatea e Taha’s são circundadas pelo mesmo recife, compartilham a mesma imensa lagoa e apresentam atrações distintas. A primeira, Raiatea, é considerada pelos polinésios antigos como um solo sagrado e é ideal para a pratica de mergulhos noturnos ou diurnos. No sudeste da ilha, inclusive, em Marae Taputapuatea há um templo vulcânico acidentado que oferece uma visão do passado, de quando as tribos dominavam a polinésia. O local é reconhecido como Patrimônio Mundial da UNESCO em 2017 e vale ser visitado. Já a segunda extensão de terra, Taha’a, é silenciosa, de beleza simples e apresenta o contorno de uma flor se vista de cima. O ar com cheiro de baunilha, que é levado pela brisa que flui pelos morros, já indicam a presença de numerosas fazendas de baunilha, um dos atrativos locais que podem ser visitadas pelos turistas. Os tours incluem caminhadas entre as fileiras de orquídeas, trepadeiras e uma demonstração do processo de polinização e cura.

10- Receber o seu café da manhã na Va’a, típica canoa polinésia, em Bora Bora

     

Bora Bora é um destino de muitos predicados. Suas praias de areias brancas são um verdadeiro convite ao desfrute em suas águas azul-marinho, onde os peixes de cores tropicais animam os jardins de corais. Mas, sem sombra de dúvidas o destaque do destino fica por conta do café da manhã servido na Va’a, que é uma autêntica experiência polinésia. A refeição é trazida até a sacada privativa dos bangalôs ou até as vilas sobre as águas, por meio de uma canoa polinésia, comumente decorada com flores. A embarcação transporta polinésios que servem frutas frescas, bolos e sucos, enquanto as águas ao redor começam a dar as boas-vindas ao sol nascente do Pacífico Sul. É uma experiência sem igual!

Curiosidade: O Va’a vai muito além do tradicional café da manhã polinésio. Por lá, a embarcação é tida como esporte e ao longo do ano são realizadas diversas competições envolvendo a categoria. Caso do Hawaiki Nui Va’a, a mais longa e mais difícil corrida de canoa polinésia do mundo. Ela acontece anualmente, há 27 anos, na Polinésia Francesa e conta, inclusive, com atletas brasileiros dentre os participantes – em algumas edições até, equipes brasileiras completas participam do campeonato. Na Polinésia, esse esporte para os tahitianos, tal como o futebol para os brasileiros, é uma questão cultural.

11- Mergulhar nos atóis de Rangiroa, a capital mundial da prática

Talvez nenhum outro lugar do planeta ofereça condições tão apropriadas e propicias para a prática de mergulho como Rangiroa. O local, aliás, é o segundo maior atol do mundo e está disposto em uma região com cerca de 240 ilhotas que se unem por 177 quilômetros envolto de uma profunda lagoa. O belo circuito de ilhas é cercado por diferentes tipos de oceano, Moana-tea (Oceano Pacífico), que define a lagoa e Moana-uri (Oceano Selvagem), onde baleias, raias jamantas, golfinhos e tubarões desfilam entre os afortunados que viajam para vivenciar esta experiência.

12- Observar a fantástica fauna marinha de Tikehau e viver o mundo de Jacques Cousteau

Tikehau é um destino de contrastes. Em terra, os dias são tranquilos e passam de forma lenta e despretensiosamente, sob a ótica dos cerca de 500 taitianos que chamam este paraíso de lar e vivem dos recursos advindos do mar. Já fora dela, na vida sob a água, o ritmo imposto pela fauna marinha é bem mais acelerado e povoado. Segundo Jacques Cousteau, renomado oceanógrafo e inventor francês, a lagoa reúne a maior concentração de peixes de qualquer atol Tuamotu. As tartarugas marinhas e os tubarões negros são abundantes. Motivo este, inclusive, que torna o destino o lugar perfeito para observar a vida marinha de diferentes perspectivas.

13 – Hospedar-se nos famosos bangalôs sobre às águas

     

As icônicas acomodações flutuantes, criadas na década de 60, por três amigos provenientes da Califórnia, representam a essência das Ilhas do Tahiti e alimentam o sonho e o desejo de milhões de pessoas que anseiam viver a incrível experiência de dormir em suítes luxuosas e equipadas com terraços privativos, piscinas de borda infinita ao lado da cama, redes, banheiras e pisos de vidro para contemplação dos peixes, arraias e inofensivos tubarões tropicais nadando logo abaixo dos seus pés.

20- O Tahiti é LGBT Friendly

P.S: Não esqueça a camisa florida e o colar de flores nativo. Por mais que seja uma foto clichê, ela será uma das mais incríveis!

Deixe um comentário