in

Entrevista com Bruno Gagliasso. Bonito, sedutor e defensor da causa gay

Bruno Gagliasso

Os olhos azuis e o sorriso aberto fascinam qualquer interlocutor. O fato de fazer parte do universo das celebridades globais não o tira do chão. Mantém a postura de um homem simples sem deixar-se contaminar pela loucura da fama. Antenado com a realidade, tem posições definidas com relação à política e combate publicamente o preconceito e a discriminação sexual.

A cena do beijo que não aconteceu entre os personagens Júnior (Bruno Gagliasso) e Zeca (Eron Cordeiro) no último capítulo da novela América, na TV Globo, em 2005, deu o que falar e tornou-se inesquecível. Até hoje a cena é lembrada e discutida nas rodas em que o assunto é o amor entre iguais. A ausência de carinho deixou a cena irreal. Mas isso faz parte do passado. O beijo entre homens e entre mulheres nas novelas é uma realidade, juntamente com a união civil aprovada pelo Superior Tribunal Federal.
Na área da sexualidade, a barreira a ser superada agora é com relação ao preconceito e a discriminação. Bruno Gagliasso, heterossexual, é um dos defensores da causa gay. Ele se destaca pelo talento profissional e a postura firme diante de temas polêmicos. Aos 32 anos de idade esta no auge da carreira e tem muitos projetos fora da telinha.
Nascido no dia 13 de abril no Rio de Janeiro, começou a carreira ainda criança fazendo figuração na TV Globo e uma participação no episódio Papai é Gay no programa “Você decide”.  Passou pelo SBT onde fez a novela infantil Chiquititas.
Não foram apenas seus lindos olhos azuis que lhe garantiram o sucesso. Retornou para a rede Globo em 2001 assinando contrato e onde permanece, prova do talento e dedicação ao trabalho.
Hoje, no auge da maturidade, casado com a atriz Giovanna Ewbank, é um dos galãs mais requisitados da TV. Além de ator, tem produtora de cinema e é sócio de uma agência de turismo com serviços exclusivos em Fernando de Noronha, seu refúgio predileto.
Bruno é defensor dos direitos LGBT, tanto que se manifestou publicamente quando postou nas redes sociais o selinho dado no ator Matheus Nachtergaele em protesto pela permanência do pastor Feliciano na Comissão dos Direitos Humanos do Governo Federal em abril de 2013.
Em entrevista para a ViaG, Gagliasso contou um pouco de seus projetos. Confira.

ViaG: Ser ator sempre foi seu desejo ou tinha outros planos?
Bruno Gagliasso: Desde que entendi e percebi que poderia atuar, exercer essa profissão tornou-se meu maior desejo. Para vocação não há plano B.

VG: Desde muito jovem você é assediado por fãs. Sente que sua privacidade é invadida? Como lida com isso?
BG: Tornar-se conhecido faz parte da minha profissão, da vida que escolhi, não me dou o direito de reclamar, pelo contrário, gosto desse contato.

VG: Em América enfrentou um grande desafio com personagem Júnior e, potencialmente, a realização do primeiro beijo gay nas telas. A cena não foi ao ar. Qual sua reação na época? A que você atribui o corte do beijo?
BG: Na época fiquei bem triste. Fizemos um trabalho muito grande para que tudo fosse feito com muito respeito e cuidado. Por decisões de outras instancias a cena não foi ao ar. Mas, como diz Caetano, é incrível a força que as coisas parecem ter quando elas precisam acontecer. E aconteceu. Não a minha necessariamente, mas, uma outra. E hoje a cena é tratada com cada vez mais naturalidade na TV brasileira.

VG: Como vê a enxurrada de personagens gays nas novelas?
BG: Acho natural que com o espaço aberto ele seja ocupado, gosto de ver vários tipos de pessoas retratadas na TV. Tem o que é caricato; tem o que não; tem heterossexual que parece que é e não é…. ou é. São vários tipos e na TV de hoje há espaço para tudo isso.

VG: Recentemente você lançou em parceria com o empresário Tuca Sultanum o portal Amo Noronha. O que é esse projeto? Como nasceu?
BG: O nome do portal diz tudo: é um site que concentra informações sobre Noronha de quem é apaixonado pelo lugar, como eu e o Tuca, para quem quer conhecer a ilha. O conteúdo é diferenciado e traz dicas de restaurantes, passeios, pousadas etc de quem é local, como o Tuca que mora lá. Estas informações fazem toda a diferença numa viagem a Noronha. Você tem 100% de aproveitamento, conhece os lugares mais incríveis. Foi assim que o Tuca fez da minha primeira ida a Noronha uma experiência inesquecível. Espero com esse portal proporcionar a mesma emoção para os novos visitantes.

VG: Há três anos, o arquipélago de Noronha recebe uma weekend party LGBT chamado Love Noronha. O que acha da ideia? A Ilha pode ser um destino gay friendly?
BG:  Noronha é um destino acima de tudo friendly. Gente do bem e bem resolvida frequenta a ilha. Se não é  torço para que logo se torne. Essa festa tem um papel e uma responsabilidade muito grande nesse ponto. Quero ir à próxima.

VG: Seu destino de férias preferido no Brasil é Noronha? O que o atrai na ilha?
BG: Amo Noronha e a simplicidade das pessoas e toda a energia do lugar. Visito a ilha pelo menos cinco vezes ao ano. Pra mim o melhor lugar do mundo.

VG: Quais são seus projetos para TV e cinema?
BG:  Além do Isolados, filme em que atuei e coproduzi, tenho mais dois  projetos em andamento na minha produtora e filmo o longa Jogos Clandestinos do Caio Cobra no final do ano. Para a TV, estou no seriado Dupla Identidade, na Globo.

VG: Em momentos de folga qual seu passatempo preferido?
BG: Eu amo assistir shows. Amo correr na lagoa. Amo estar com a minha família, com a minha esposa, com meus amigos, meus cachorros. Sempre
que posso escapo para alguma viagem a Noronha.

VG: Você é uma pessoa vaidosa? Como cuida do corpo e da balança? Consegue provar algumas massas no restaurante da família?
BG: Mudei completamente meus hábitos alimentares, como muito bem e com qualidade. Procuro me exercitar, seja em minhas aulas de boxe, seja também treinando crossfit que gosto muito. Mas há hora para tudo e, sem dúvida, não resisto as receitas da minha mãe. Entrei como sócio no restaurante orgânico Le Manjue em São Paulo e em março de 2015 abriremos no Leblon, no Rio.

Curtinhas:
Um sonho: Noronha
Política: A nossa? Uma vergonha.
O que tira do sério: Roubalheira
Ídolo(s): Marlon Brando, James Dean, Murilo Benício
Perfume: O da minha mulher
Não pode faltar na mesa: Saúde
O melhor lugar: Noronha, sem dúvida
Uma loucura gostosa: Passar três dias em Noronha e voltar para o Rio
Amar é: Querer estar junto, perto, admirar
Melhor amigo(a): Zeca

Fotos em Noronha: Alex Moura
Fotos estúdio: Alex Santana

Axel Miami – Banner

Escrito por amanda