PRÉ-PARADA: PREPARADAS, evento gratuito no dia 22 de junho na Biblioteca Mário de Andrade.

PRÉ-PARADA: PREPARADAS, evento gratuito no dia 22 de junho na Biblioteca Mário de Andrade.

Performance dupla dos atores e bailarinos PAULO GOYA e CIRO BARCELOS, seguida de conversa sobre união gay, em “esquenta” para a 23ª Parada LGBT de São Paulo. No sábado dia 22 de junho, às 18h, no saguão e no sarauzódromo da Biblioteca Mário de Andrade.
Estarão expostos livros do poeta Reynaldo Bairão ilustrados pelo artista Darcy Penteado, primeiro casal gay socialmente assumido em SP, nos anos 1940.

No evento, após performances dos dois artistas no saguão da biblioteca, o público conversa no novo espaço, o sarauzódromo, com os atores e bailarinos PAULO GOYA e CIRO BARCELOS (um dos remanescentes do grupo original dos Dzi Croquettes)Colaborador do diretor argentino Victor Garcia em São Paulo (O balcão e Cemitério de automóveis, 1969) e Paris (Calderón, 1981), Paulo é veterano de uma época de ouro do teatro paulistano e nos anos 1960 foi companheiro do poeta Reynaldo Bairão, o homenageado da noite. Ciro participou do elenco original de Dzi Croquettes e tornou-se coreógrafo, diretor de cena e one show man. A conversa tem mediação do jornalista e curador teatral Alvaro Machado.

Mas, antes disso, a noite se inicia com interpretação de poemas do paulista REYNALDO BAIRÃO (1926-c.1985) por Paulo Goya, performance que será acompanhada de dança-improviso por Ciro Barcelos. O poeta foi companheiro de Paulo nos anos 1960, e em toda a década anterior, os anos 50, apresentou-se socialmente como companheiro do artista plástico DARCY PENTEADO (1926-1987). Esse teria sido o primeiro casal gay assumido na sociedade paulistana. Ativista da causa LGBT com a fundação do jornal Lampião etc., Darcy ilustrou com gravuras e desenhos oito livros de Reynaldo editados pelo Clube de Poesia de SP, entre outros selos. Esses livros, bem como o volume de arte “Poema Soturno de Minas Gerais” (1952), com bicos-de-pena de Darcy, alocados nos acervos de Raros e Artes da Biblioteca Mário de Andrade, estarão expostos em vitrina no saguão do edifício, a 17 a 23 de junho. No dia 23 realiza-se a 23ª Parada do Orgulho LGBTQ de São Paulo.

Vila Galé – Fortaleza

Já Ciro Barcelos lembrará seu relacionamento aberto, por oito anos, com o cantor e bailarino norte-americano radicado no Brasil LENNIE DALE (1934-1994), um dos líderes dos Dzi Croquettes. Serão exibidos trechos de filmagens de shows dos Dzi em Paris, pertencentes ao acervo de Ciro. Depois, com o público, no Sarauzódromo da Mário, reflete-se e conversa-se sobre a evolução da união gay no Brasil, desde o meio paulistano elegante dos anos 1950 até a época do “desbunde” nos anos 1970, e daí por diante.

Ciro Barcelos (Porto Alegre, 1953) é um dos remanescentes do grupo original dos Dzi Croquettes, do início dos anos 1970. Mas ainda antes disso convenceu seus pais a emancipá-lo para poder participar do elenco de Hair em turnê pelo Brasil, sob a direção de Ademar Guerra. Nos Croquettes, tornou-se o caçula de Lennie Dale, e depois foi seu companheiro e assistente em dança, por oito anos. Radicado na Europa na segunda metade dos anos 1970, teve formação em balé clássico e trabalhou com os coreógrafos Maurice Béjart e Pina Bausch. Estudou flamenco na Espanha, danças afrobrasileiras na Bahia e danças sagradas da Índia e na Turquia. Fundou e dirigiu a Cia. Balé do Terceiro Mundo, sendo considerado pela crítica especializada “o Jean Genet de sapatilhas”. Autor e coreógrafo de musicais de sucesso, como Francisco de Assis, Circumano, Santo Antônio do Brasil, Dzi Croquettes em Bandália e Tropicalistas. Atualmente em cartaz com o show Dzi 45 Anos.

Paulo Goya (São Paulo, 1951) iniciou trabalhos teatrais no Colégio de Aplicação da USP. Profissionalizou-se em 1969, atuando em Galileu Galilei e Na Selva das Cidades, ambas de Brecht, com o Teatro Oficina. Com esse grupo também participou de Don Juan (1970), de Molière, na montagem de Fernando Peixoto. Sob a direção do argentino Victor Garcia, integrou os elencos de duas encenações célebres: Cemitério de Automóveis (1968) e O Balcão (1969). No início dos anos 1970 participou de outras montagens históricas em São Paulo: Victor, ou as Crianças no Poder (1974), com direção de Celso Nunes, Hair e Jesus Cristo Superstar. Na segunda metade dos anos 1970 se instala na França, em Paris. Faz curso superior de Letras na Sorbonne e é admitido no Conservatoire Supérieur d’Art Dramatique de Paris, onde foi aluno de Pierre Debauche, Antoine Vittez, Michel Bouquet, entre outros. Já na temporada 1978/79 é contratado pelo Théâtre Nationale Populaire em Lyon (FR). Com encenação de Saskia C. Tanugi, atuou como Shylock em O Mercador de Veneza, de Shakespeare, no Festival d’Autonme de Paris. Na temporada 1980/81, é Hamlet na encenação premiada de Daniel Mesguich, de quem também foi assistente. No ano 1981 trabalha também no último espetáculo do grande Victor Garcia, no Théâtre National de Châillot – Calderon. É contratado como ator permanente a partir da temporada 1983/84, pelo Centre Dramatique du Limousin (Limoges- FR).
Seguem-se participações em vários espetáculos na França e na Bélgica. Paulo Goya cria sua própria companhia, subvencionada pelo Ministério da Cultura da França, o Théatre Officine, onde criará o texto Paysage sous surveillance (Descrição de Imagem) de Heiner Müller. Texto que será remontado no Brasil, para onde o ator retornou em 1990, dentro do espetáculo Caf’ Conc’ (1991), MASP, Centro de Convivência (Campinas) e Teatro Municipal de Santos. Trabalha como locutor para a TV Cultura de SP e para Rádio Cultura FM, em seriados da HBO e em diversos curtas-metragens até 2012. Preside e dirige o Espaço Cultural Dona Julieta Sohn – o Casarão do Belvedere –, no bairro do Bixiga, desde janeiro de 2003.

Ficha técnica:
PRÉ-PARADA: PREPARADAS

Pesquisa, atuação e direção: Paulo Goya e Ciro Barcelos
Assistência em pesquisa e mediação de conversa: Alvaro Machado
Produção: Associação de Amigos do Teatro Brasileiro de Comédia (ATBC)

Colaborações Biblioteca Mário de Andrade (BMA):

Obras Raras e Especiais: Bruno Rizio Sant’Anna e Joana D’Arc Moreno de Almeida
Seção de Artes: Natan T. B. Serzedello
Montagem de vitrine de livros e fichas técnicas: Obras Raras BMA
Assistência técnica de palco: Silas Batista Rocha

SERVIÇO
Sarauzódromo da Biblioteca Mário de Andrade.
Rua da Consolação, 94 – República. Tel. (11) 3775-0020

Dia 22 de junho, sábado, às 18h
Duração: 90 minutos
Acesso para portadores de necessidades especiais
Lotação: 170 lugares

PROGRAMAÇÃO GRÁTIS

Deixe um comentário