Banco do Nordeste censura faixa da exposição sobre casamento gay

Banco do Nordeste censura faixa da exposição sobre casamento gay

Artistas de Fortaleza (CE) estão acusando o Banco do Nordeste de censura após a retirada de uma faixa com a frase: “ Em terra de homofóbicos casamento gay é arte”. O objeto instalado na frente do prédio do Centro Cultural foi removido por funcionários do banco sem o consentimento dos autores e curadores do evento.

“Era uma faixa, na parte de dentro, tinha um beijo gay, que hoje até novela mostra. Não tem discurso de ódio, não tem palavra de baixo calão, não tem pornografia”, afirma Eduardo Bruno, um dos autores da exposição.

Na tarde desta terça-feira (28), um dia após a remoção da faixa, os artistas retiraram a instalação que ocupava o interior do Centro Cultural Banco do Nordeste e o acusaram de censura.  “Não faz sentido manter toda a obra em local onde parte dela foi violada. Pra gente, isso é uma violência, um ato de censura”, afirma Eduardo Bruno, que caracteriza a ação da instituição como homofóbica.

Após retirada da instalação artistas protestas nas paredes do Centro Cultural Banco do Nordeste.

Com autoria de Eduardo Bruno e Waldirio Castro, a exposição “Oque pode um casamento (gay)?” celebra a afetividade entre LGBT+, e integra uma série de performances de autoria dos artistas, que transformaram o próprio casamento em arte. A obra foi selecionada na 70° edição do Salão de Abril, considerado o maior salão de artes do Ceará e realizado pela Prefeitura de Fortaleza.

 

Exposição no BNB fazia parte do Salão de Abril e abordava o tema do casamento homoafetivo — Foto: Arquivo pessoal.

Curadoria

Jacqueline Medeiros, curadora do Salão de Abril, afirmou que a retirada da faixa foi uma decisão exclusiva do centro cultural. “A curadoria não foi consultada. Na verdade, toda a conversa foi com o artista. A gente só foi comunicado depois que retiraram a faixa”.

Em nota, a Secretaria Municipal de Cultural de Fortaleza (Secultfor), que organiza o Salão de Abril, lamentou o ocorrido e disse que já autorizou a curadoria do evento a alocar a obra em outro espaço de exibição. Todo o conteúdo da instalação deverá ocupar a Casa do Barão de Camocim, que também é um dos espaços da mostra.

Transferência

O gerente executivo do Centro Cultural Banco do Nordeste em Fortaleza, Gildomar Marinho, foi afastado do cargo. Marinho transferido para gerência da célula de cultura do BNB, que promove eventos patrocinados pelo banco,  mas não tem vínculo com o centro cultural.

A entidade admitiu a retirada da faixa sob a justificativa de que o objeto estaria  descaracterizando a fachada do prédio e comprometendo sua identidade visual”. Confira na íntegra a nota do banco.

Nota Banco do Nordeste

A obra em questão faz parte do 70° Salão de Abril, organizado pela Prefeitura de Fortaleza e pelo Instituto Iracema, evento para o qual o Centro Cultural Banco do Nordeste Fortaleza cedeu espaço para algumas exposições. As obras foram selecionadas por curadoria contratada pelo Instituto Iracema.

O Centro Cultural Banco do Nordeste Fortaleza não interferiu na exposição do artista, somente discordou da instalação de faixa na entrada do equipamento, afixada próximo à logomarca do centro cultural, descaracterizando a fachada do prédio e comprometendo sua identidade visual.

LEIA TAMBÉM:
-Las Vegas realiza temporada de celebrações LGBT+; confira
- Diretora francesa vence premio de melhor filme LGBT+
- Poc Con: 1° feira de HQs produzida por artistas LGBT+ acontece em junho; confira

Deixe um comentário