Na capital do jazz

New Orleans

Alegre e vibrante, com arquitetura singular, culinária autêntica, jazz em cada esquina, Nola, como é carinhosamente conhecida, é sem dúvida a cidade mais colorida e divertida dos Estados Unidos.
Localizada no estado de Louisiana, no sul do país, New Orleans foi fundada em 1718 pelos franceses, em 1788 esteve sob o domínio dos espanhóis até ser incorporada ao território americano em 1803. Por ali também desembarcaram navios negreiros com escravos africanos, e em outras épocas vieram italianos e caribenhos, o que explica

Por: Ana Paula Garrido

Axel Miami – Banner

Para conhecer e se apaixonar pela cidade siga a pé e sem pressa, admirando a fantástica arquitetura preservada, suas ruas estreitas, as elegantes construções com terraços e iluminação de antigos candeeiros que remetem imediatamente a outra época.
É preciso inicialmente fazer um passeio pelo mais charmoso e antigo bairro da cidade, o French Quarter. Comece pela bela Praça da Jackson Square, sinta a alegre atmosfera em volta, cercada de prédios históricos do século XVII, sons de jazz vindos dos restaurantes ou dos músicos que se apresentam na praça, dividindo o espaço com artistas locais, videntes e leitoras de tarô prontas a desvendar seu destino ao som da ótima música e dos aromas dos temperos da típica culinária que se espalham pelo ar.
O tradicional Café Du Monde, aberto em 1862, funciona 24 horas e serve um café au lait, tipicamente francês acompanhado dos beignets, deliciosos pãezinhos quentes e fritos, cobertos por açúcar de confeiteiro. Tão bons que formam filas na porta com gente pronta para se lambuzar de açúcar! Ao lado fica o French Market, o mais antigo mercado onde hoje funciona uma feira com quiosques que vendem a autêntica culinária sulista e sanduíches típicos como o “po-boy”, feito de mariscos, além de lojas de temperos e condimentos de Louisiana, souvenires e até mesmo um mercado das pulgas onde se encontram antigos CDs de clássicos do jazz, arte local, lindas máscaras e colares do Mardi Gras, o carnaval local.

Bourbon Street
Aqui todo dia é festa. A música não para e a animação não tem fim. São diversos bares, restaurantes lojas, casa de shows e inferninhos que disputam entre si a atenção do público passante. A ideia é entrar em todos e explorar as inúmeras baladas, começando pelo Café Latiffe In Exile, um dos mais antigos bares gays dos Estados Unidos, e os animados e coloridos Napoleon’s Itch, Bourbon Pub e o The OZ.
Berço do jazz, ainda hoje tocado em cada esquina, bares e ruas, uma viagem jamais estaria completa sem uma parada para sua mais autêntica apresentação. O Preservation Hall é um must e hoje a Frenchmen Street é a melhor rua para curtir a música, em clubes de jazz como o Spotted Cat Music Club, que começa às quatro da tarde e vai até às duas da manhã. Não dá para perder.

Para comer
A culinária local creole ou cajun, criativa e apimentada, é uma explosão de deliciosos sabores para comer rezando. Os pratos típicos como Gumbo e Jambalaya, e os mariscos do sul de Louisiana são maravilhosos. O restaurante Murriel’s oferece o melhor da culinária creole num casarão luxuoso e cheio de mistérios. Diariamente, uma mesa é servida com pães e vinhos para, digamos assim, deixar os fantasmas, antigos moradores do local, entretidos para não assombrarem os clientes.
Alguns frequentadores juram que já os viram e até fizeram fotos. Ainda assim, vale vencer o medo e conhecer o local. Para quem aprecia uma boa comida acompanhada dos melhores vinhos, deve conhecer o menu do premiadíssimo Commmander´s Palace, um dos mais chiques restaurantes da cidade frequentado por ricos e famosos desde 1880.
Localizado no Garden District, um dos bairros residenciais mais imponentes e arborizados, onde estão as belas e ainda preservadas mansões sulistas. Muitas delas já serviram de cenários para filmes como O curioso caso de Benjamin Button, que teve Brad Pitt como protagonista, além de ter entre seus moradores, artistas como Sandra Bullock e a famosa escritora Anne Rice, que pagaram alguns milhões de dólares pelas mansões.

Festas
Cidade festeira, famosa pelos inúmeros festivais, entre eles o Mardi Gras e o Jazz Fest, Nola também organiza as festas mais gays do planeta. O Halloween Gay e o Southern Decadance, também conhecido como Gay Mardi Gras, são os maiores eventos LGBT. O Decadance começou  com uma pequena festa a fantasia entre amigos, mas de tão animada, acabou se repetindo anualmente, atraindo cada vez mais gente. Em 2014 cerca de 160 mil pessoas formaram uma multidão fantasiada e colorida desfilando pelas ruas.

Hospedagem
Para quem não quer perder um minuto de animação o melhor é ficar no coração da cidade, no French Quarter e de preferência perto da Bourbon Street. Uma ótima hospedagem na esquina da rua mais boêmia é o Bourbon Orleans Hotel, uma construção histórica que oferece luxo e conforto e algumas divertidas histórias de fantasmas. Sim, nessa cidade eles estão por toda parte. Para quem tem medo de assombração, melhor dormir bem acompanhado.
Uma interessante mistura de culturas, ricas histórias e uma verdadeira explosão de sabores, cheiros e sons, que mexem com todos os sentidos e fazem a alma transbordar de alegria, assim é New Orleans. Entre no espírito e como dizem os orlenianos, “do whatcha wanna”, ou seja, faça o que quiser e deixe-se envolver por uma das mais divertidas e coloridas cidades do mundo.

Dicas
Não há voo direto para o destino. Uma opção é o voo da Delta Airlines que sai do Brasil com curta escala em Atlanta.
Antes de ir consulte o calendário das festas:
www.neworleanscvb.com/calendar-events

A jornalista Ana Paula Garrido viajou a convite da Delta Airlines